Dicas de passeio

Basílica de São Pedro dos Clérigos

Basílica de São Pedro dos Clérigos

Os atrativos históricos e culturais fazem do passeio à Mariana uma viagem ao século 18. No Centro Histórico, as igrejas, os museus e o casario colonial retratam a opulência da primeira capital de Minas. Já nos arredores, a mina de ouro da Passagem, aberta a visitação, mostra como era feira a exploração do metal que tanta fama deu à região.

Centro histórico

A Praça Minas Gerais é o endereço de três grandes preciosidades barrocas de Mariana. Lado a lado estão as igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora do Carmo e a Casa de Câmara e Cadeia. Próximas à praça, ao longo do Centro Histórico, ficam outras atrações culturais imperdíveis, como a Catedral Basílica da Sé, famosa pelos concertos nos finais de semana; e o Museu de Arte Sacra, com obras de Aleijadinho e Mestre Athayde.

 

BASÍLICA DE SÃO PEDRO DOS CLÉRIGOS

A vista panorâmica descortinada do alto da torre é um dos destaques da basílica. A obra foi inaugurada em 1752 e chama a atenção pelas influências italianas, como o formato oval e o altar-mor em cedro.

CATEDRAL BASÍLICA DA SÉ

Apesar da fachada modesta, a Catedral da Sé de Mariana é considerada uma das mais ricas do Brasil. Inaugurada em 1760, exibe lustres de cristal da Boêmia, altares talhados por Francisco Xavier de Brito – mestre de Aleijadinho – e pinturas de Athayde. O grande tesouro, porém, é o órgão alemão produzido em 1701.

IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Um dos principais atrativos da igreja de São Francisco de Assis é a sepultura de Manoel da Costa Athayde, importante pintor do período colonial brasileiro nascido em Mariana. O templo, de 1794, abriga ainda algumas obras do artista, como as pinturas da nave e da sacristia.

MUSEU ARQUIDIOCESANO DE ARTE SACRA

Instalado em um casarão de 1770, o museu reúne uma grande variedade de obras de Aleijadinho e pinturas de Mestre Athayde. O acervo apresenta ainda objetos sacros de prata e ouro, esculturas e indumentárias religiosas dos séculos 18 e 19.

MUSEU DE MÚSICA DE MARIANA

O antigo Palácio dos Bispos, erguido no século 18, abriga um dos mais importantes acervos de música sacra brasileira. É possível ver partituras dos séculos 18 e 19, ouvir trechos das músicas e observar instrumentos antigos.

CASA DE ALPHONSUS DE GUIMARÃES

A casa onde viveu o poeta, escritor e juiz Alphonsus de Guimarães foi transformada em museu. No acervo estão mobílias, fotos, objetos, arquivos e biblioteca pessoal. O sobrado tem arquitetura típica do século 18.

CASA DE CÂMARA E CADEIA

O prédio que abriga a atual Câmara dos Vereadores de Mariana já teve várias serventias. Construído em 1782 para abrigar a Casa de Câmara e Cadeia, já funcionou como senzala e local de fundição de ouro, além de primeira sede do governo de Minas Gerais.

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CARMO

Um incêndio em 1999, por pouco, não retira a igreja de Nossa Senhora do Carmo do cenário histórico de Mariana. Somente o altar-mor, em estilo rococó, não foi destruído pelas chamas. Erguido em 1784, o templo foi recuperado após o acidente e hoje exibe grande parte das obras que lhe conferiram fama.

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS

Construída pela irmandade dos negros em 1758, a igreja traz pinturas de Athayde no altar-mor e nos altares laterais. O artista Francisco Vieira Servas também participou das ornamentações.

MINA DE OURO DA PASSAGEM

Mais que um passeio histórico, a visita à mina de ouro da Passagem é uma grande aventura. Uma das maiores do mundo abertas ao público, é explorada através de um trole que percorre 315 metros de trilhos até chegar a 120 metros de profundidade. Ao longo da descida, observa-se grandes salões, túneis e lagos de águas cristalinas. O passeio é acompanhado por monitores que contam histórias e curiosidades da mina, aberta em 1719 e desativada em 1985. Nos mais de dois séculos de funcionamento, 35 toneladas de ouro foram retiradas do local.

PASSEAR DE TREM ATÉ OURO PRETO

A locomotiva de 1949 tem interior de madeira e desenho semelhante às composições do início do século 20. A viagem até Ouro Preto é curta – são apenas 18 quilômetros percorridos em menos de uma hora – mas a sensação de viajar no tempo é garantida. No cenário, paisagens típicas de Minas Gerais, formadas por cachoeiras e montanhas. O passeio acontece nos finais de semana e feriados.

 

CONCERTO NA CATEDRAL DA SÉ

O espetáculo fica a cargo do órgão Schnitger, confeccionado na Alemanha, em 1701. O som magnífico vem dos 1.039 tubos da peça, que tem sete metros de altura e cinco de largura. As apresentações acontecem nas manhãs de sexta-feira e de domingo. É cobrado ingresso.

 

Fonte: http://www.feriasbrasil.com.br/mg/mariana/oqueverefazer.cfm